Usando o Alien

22 05 2007


O Alien permite converter pacotes .rpm, que originalmente seriam destinados a outras distribuições, como o Fedora, Mandriva, etc. Usar pacotes destinados a outras distribuições nem sempre funciona, pois eles foram compilados para trabalhar em outro ambiente, com bibliotecas e componentes diferentes dos que estão realmente instalados no seu micro. Mas, em muitos casos, pode ser a única opção.

Um exemplo clássico é o antigo pacote de drivers 3D para as placas ATI Radeon. Digo antigo, pois nas novas versões ele adotou um sistema similar ao do VMware, onde existe um instalador genérico, que se encarrega da instalação.

O driver antigo era distribuído apenas em versão .rpm, muito embora pudesse (com algumas adaptações), ser usado em outras distribuições.

O Alien pode se instalado usando o próprio apt-get:

# apt-get install alien

Para converter um pacote, simplesmente use o comando “alien”, seguido pelo arquivo, como em:

# alien fglrx_4_3_0-8.10.19-1.i386.rpm

fglrx-4-3-0_8.10.19-2_i386.deb generated

Note que ele gera um arquivo de mesmo nome, mas com a extensão .deb, que pode ser instalado usando o comando “dpkg -i”.

Converter pacotes de um formato para outro é bem mais simples do que pode parecer à primeira vista. O principal não é o formato do pacote em si, mas o que existe dentro dele. Atualmente, está em desenvolvimento um gerenciador de pacotes universal, o “smart”, que é capaz de converter e instalar automaticamente pacotes de diferentes formatos. Ele pode vir a ser o sucessor do apt-get, urpmi, yum e outros gerenciadores que usamos hoje em dia.


Instalando a partir do código fonte


Os pacotes com código fonte, distribuídos na forma dos famosos pacotes .tar.gz ou .tar.bz2, são o formato mais universal, porém ao mesmo tempo o mais complicado de instalar, que você deixa como um último recurso a lançar mão quando não encontrar um pacote atualizado do programa que precisa instalar.

Em primeiro lugar, é necessário ter instalado um conjunto de compiladores, incluindo o gcc e g++, e ferramentas como o make, autoconf, diff e patch e bibliotecas, como o binutils-dev, libc6-dev. Este “kit básico” é instalado ao marcar a categoria “desenvolvimento” (ou development) durante a instalação. No caso do Kurumin, use o script “instalar-compiladores”.

Uma dica é que todos os pacotes cujo nome termina com “-dev” são justamente bibliotecas de desenvolvimento, que podem ser necessários ao compilar determinados programas. Quando o instalador reclama da falta de bibliotecas ou arquivos do X, provavelmente ele está dando falta do pacote “xlibs-dev”, quando reclamar da falta de arquivos do KDE, provavelmente está pedindo o pacote “libqt3-dev” e assim por diante. A maior dificuldade em compilar programas complexos está justamente em localizar e instalar o conjunto de bibliotecas de que ele precisa.

Se os pré-requisitos estiverem em ordem, a compilação em si é feita descompactado o arquivo (usando o comando “tar –zxvf pacote.tar.gz” ou “tar –jxvf pacote.tar.bz2″ ou descompactando pelo próprio Konqueror), acessando a pasta que será criada e rodando três comandos básicos:

$ ./configure
$ make
# make install

O “./configure” executa um script (dentro da pasta do programa), que verifica o sistema, em busca dos componentes de que precisa. Ele avisa caso algo esteja faltando, como neste erro que apareceu ao tentar compilar o Qemu:

ERROR: QEMU requires SDL or Cocoa for graphical output
To build QEMU with graphical output configure with –disable-gfx-check
Note that this will disable all output from the virtual graphics card.

Neste exemplo, está faltando a biblioteca de desenvolvimento do SDL. Quase sempre, os pacotes que contém bibliotecas começam com “lib” e os pacotes de desenvolvimento terminam com “-dev”. Procurando no http://www.debian.org por um pacote que comece com “lib”, termine com “-dev” e tenha “sdl” no meio, você chega ao “libsdl1.2-dev”, que é justamente o pacote que estava faltando neste caso :). Em casos onde a solução parecer mais difícil, a melhor opção é fazer uma busca no Google, usando parte da mensagem de erro.

O “make” cuida do trabalho pesado, fazendo a compilação propriamente dita. Ele se baseia nas informações deixadas pelo configure para encontrar os componentes de que precisa.

Finalmente, temos o “make install”, que finalmente instala o programa, copiando os arquivos gerados pelo make para as pastas corretas do sistema. Ao contrário dos dois primeiros comandos, ele precisa ser executado como root, já que envolve fazer alterações no sistema.

Apesar destes três comandos serem um padrão adotado na maioria dos pacotes, eles não são necessariamente uma regra. Muitos programas usam sistemas simplificados de instalação ou mesmo scripts próprios, por isso é sempre bom dar uma olhada no arquivo “INSTALL” ou “README” dentro da pasta, que explica os passos necessários.

Em geral, os programas instalados a partir dos fontes não criam os ícones no menu. Você precisa chamar o programa via linha de comando ou criar os ícones manualmente.

Uma dica com relação às dependências e bibliotecas é usar o auto-apt, um programa que verifica as mensagens de erro geradas durante a compilação e procura instalar via apt-get os componentes necessários para concluir a compilação. Ele não é perfeito: muitas vezes se perde ou tenta instalar pacotes desnecessários, mas realmente ajuda em muitos casos. Você pode instalá-lo via apt-get:

# apt-get install auto-apt

Depois de instalado, execute (nesta ordem) os comandos “auto-apt update“, “auto-apt updatedb” e “auto-apt update-local“, que geram a base de dados que ele usa para fazer seu trabalho.

Depois de tudo pronto, você passa a executar os comandos de compilação dos pacotes através dele, usando o comando “auto-apt run” seguido pelo comando, como em:

# auto-apt run ./configure
# auto-apt run make


Programas com instalador


Como comentei, muitos programas usam instaladores próprios e são desenvolvidos de forma a funcionarem sem modificações em várias distribuições. Alguns exemplos são o Java, RealPlayer, Acrobat Reader, os drivers 3D da nVidia e ATI, versões antigas do OpenOffice (anteriores ao 2.0), versões do Firefox e Thunderbird baixadas do mozilla.org ou mozilla.org.br e muitos jogos (como o Quake 3, Unreal, Medal of Honour e outros), que utilizam um instalador gráfico desenvolvido pela saudosa Loki.

Estes programas quase sempre usam a extensão “.sh” e são fáceis de instalar, já que basta executar o arquivo num terminal para iniciar a instalação.

Ao baixar o arquivo, ele sempre virá com a permissão de execução desmarcada, uma medida de segurança para prevenir acidentes com possíveis arquivos infectados com vírus e trojans. Apesar de parecer perda de tempo, esta é uma das medidas que mais contribui para a segurança geral do sistema num desktop, pois você não corre o risco de executar um arquivo simplesmente por clicar por acidente num link no navegador ou no leitor de e-mails: precisa realmente salvá-lo no HD, marcar a permissão de execução e finalmente executá-lo. Um vírus que se propagasse via e-mail encontraria um terreno muito menos fértil no Linux; ele teria que vir com manual de instruções ;).

Para ativar a permissão de execução, use o comando “chmod +x”, como em:

$ chmod +x mohaa-lnx-1.11-beta3.run

Muitos instaladores podem ser executados diretamente com seu login de usuário, desde que você instale o programa numa pasta dentro do seu home. Outros realmente precisam ser executados como root.

Você pode executar o programa diretamente pelo Konqueror, clicando sobre ele (lembre-se de que você pode abrir o Konqueror como root usando o comando “sudo konqueror” ou ainda “kdesu konqueror”); ou pelo terminal, usando o “./”, como em:

# ./mohaa-lnx-1.11-beta3.run

No caso dos games, o instalador pede os CDs de instalação do Windows, da onde copia os arquivos necessários (mapas, sons, etc.). Mas, depois de instalado, o game roda realmente como um aplicativo nativo.

No caso de games compostos por vários CDs, você por usar os comandos “umount /mnt/cdrom” e “mount /mnt/cdrom” para trocar o CD durante a instalação. A dica neste caso é que você não pode estar dentro da pasta “/mnt/cdrom” ao tentar desmontar o CD, caso contrário o sistema percebe que o diretório está em uso e retorna um erro. Dê os comandos a partir de outro diretório qualquer e você consegue desmontar normalmente.

Além das páginas dos respectivos desenvolvedores, você pode baixar os instaladores (e demos) for Linux de muitos dos games portados no: http://darkstar.ist.utl.pt/pub/games/.


Outras ferramentas de instalação


O apt-get é atualmente quase que uma ferramenta universal. Além de ser usado nas muitas distribuições derivadas do Debian (incluindo o Ubuntu), ele foi portado para distribuições derivadas do Red Hat pela Equipe da Conectiva. Embora ainda não seja a opção padrão, ele pode ser instalado no Mandriva, Fedora e em outras distribuições.

Mas, além do apt-get em si, existem outras ferramentas de instalação, particulares de cada distribuição.

No Mandriva é usando o “rpmdrake“, um utilitário gráfico (disponível dentro do Mandriva Control Center) que permite instalar, remover e atualizar programas. Também é possível instalar programas via linha de comando usando os comandos “urpmi programa” (para instalar) e “urpme programa” (para remover). Por padrão, o urpmi simplesmente instala os pacotes a partir dos CDs de instalação, mas é possível adicionar fontes adicionais, como no apt-get. Um site que ajuda nesta tarefa é o: http://easyurpmi.zarb.org/.

No Fedora é usado o “yum“, que funciona de forma bem similar ao apt-get, baixando os pacotes da Internet, junto com as dependências. Use o comando “yum update” para gerar a base de dados com os pacotes disponíveis, o comando “yum install pacote” para instalar novos programas e “yum remove pacote” para remover. Assim como no urpmi, é possível adicionar repositórios extras, adicionando-os no arquivo “/etc/yum.conf”.


Anúncios

Acções

Information

11 responses

23 05 2007
BearGuy

Olá!!
Tenho dado umas passadas aqui no seu blog, desde que resolvi que DE FATO eu ia me “aventurar” a sair do “mundo das janelas” da MS e encarar A SÉRIO o Linux.
Antes de “botar a mão na massa” (prática) estou vendo a teoria” da coisa e coletando links pela net, lendo muita coisa, e já tentando ir me acostumando com os diferenciais que vou encontra pela frente quando fizer a “transição”.
Tenho que fazer uns backups ainda e preparar o HD pra receber outra partição onde vou colocar o UBUNTU.
Parabéns pelo blog e pelos posts!
Abs
BG

23 05 2007
Kiev

Caro “bearguy”,

Obrigado pelo comentário e não precisa de agradecer 🙂
Em com enorme prazer que vou divulgando alguma informação que me foi util a mim, na esperança de que o seja para outros.

Eu uso Linux há pouco tempo (desde Março deste ano) e estou fascinando pelas potencialidades deste sistema operativo e de todos os recursos opensource que trás.

Pela minha (in)experiência Recomendo vivamente o uso do Ubuntu, já que sem qualquer conhecimento em linux já migrei e não mais voltei a usar o software da Microsoft.

Qualquer assunto que eu posso ajudar estarei ao dispor..

Cheers..

25 05 2007
BearGuy

Já que vc está se oferecendo tão gentilmente… (hehehe)
Eu JÁ instalei o Ubunto, mas não estou conseguindo acessar a net.
Sou usuário ADSL (VELOX) e apesar de ter seguido um tutorial que achei no forum do “VIVALINUX” (sobre o “PPPoE config” no terminal de comando) seguir estes passos apenas não me foi suficiente.
Fora isso, tenho uma placa de som (on board) “morta” que o sistema não reconhece, mas acho que conseguindo ativar o acesso a net, poderei estar atualizando o driver ou algo assim. O som não tem tanta pressa, a NET me é fundamental!
Hahaha!
Abs e obrigado pela simpatia!
BG

3 06 2007
neto

oi
o seu blog e muito util…
instalei o meu ubuntu a pouco tempo mas nao consigo aceder a net porque tenho net movel e o meu ubuntu nao corre as instalacoes do cd como poderei fazer??

obrigado
explique como poderei fazer

4 06 2007
Kiev

Caro “neto”,

Não qual é a net mobel que usas mas o mais certo é que o cd so tenha a instalação para o windows. Se disseres qual é a net que tens e o tipo de placa que usas talvez posso ajudar-te…

11 09 2007
Alex

Não consigo instalar o secondLife no Kurumin.
Por favor me de uma ajuda, pois sou novo no linux.
AMD 2400+
512 RAM
FX5200 128
Obrigado

13 09 2007
kakaroto

velho talvez vc possar me ajuda a mim e outros usuarios sobre esse programa
q nos passamos para entender qual e o tipo de modem o usuario esta usando
pq eu passei o scan modem e sendo sincero no entendi nada .
e nem onde baixa o drive 😀
meu linux e ubuntu 7.04
um camarada disse para eu fazer isso lspci
eu poste o retorno e ninguem me diz qual e o drive para meu modem
esse foi o comando q eu fiz lspci e me retorno essas linha pode me ajudar
um abraço

00:00.0 Host bridge: Silicon Integrated Systems [SiS] 741/741GX/M741 Host (rev 03)
00:01.0 PCI bridge: Silicon Integrated Systems [SiS] SiS AGP Port (virtual PCI-to-PCI bridge)
00:02.0 ISA bridge: Silicon Integrated Systems [SiS] SiS963 [MuTIOL Media IO] (rev 25)
00:02.1 SMBus: Silicon Integrated Systems [SiS] SiS961/2 SMBus Controller
00:02.5 IDE interface: Silicon Integrated Systems [SiS] 5513 [IDE]
00:02.6 Modem: Silicon Integrated Systems [SiS] AC’97 Modem Controller (rev a0)
00:02.7 Multimedia audio controller: Silicon Integrated Systems [SiS] AC’97 Sound Controller (rev a0)
00:03.0 USB Controller: Silicon Integrated Systems [SiS] USB 1.0 Controller (rev 0f)
00:03.1 USB Controller: Silicon Integrated Systems [SiS] USB 1.0 Controller (rev 0f)
00:03.3 USB Controller: Silicon Integrated Systems [SiS] USB 2.0 Controller
01:00.0 VGA compatible controller: nVidia Corporation NV18 [GeForce4 MX 440 AGP 8x] (rev a4)

17 01 2008
mangueJOE

Para instalar o adsl no ubuntu é muito facil. Tem na barrinha principal lá que tem um ícone de uma boia salva-vidas. Esse é o icone do help. Entre lá e procure em INTERNET os passos para instalar o adsl. É bem simples.

18 01 2008
Eric Lúcio

Otimos artigos.. Através do google achei teu blog e alem de achar o que estava procurando achou outros ótimos artigos!Parabens!

2 06 2010
26 01 2011
Vinicius

Cara esse artigo me ajudou muito!!
\,,\ valeu ai fera!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: